Paulo Lisboa

PAULO LISBOA (Lisboa, 1977) vive e trabalha em Lisboa, Portugal.

A obra de Paulo Lisboa debruça-se sobre os limites da luz e da perceção da imagem. Aliado de uma materialidade aparentemente fictícia, o seu uso da grafite e do carvão sobre alumínio, papel e vidro reflete sobre a impermanência da imagem que se transforma, háptica e sombriamente, sobre a superfície que a recebe ou que a partir dela se expande. Trata-se de um trabalho onde o rigor clássico do desenho, nomeadamente no domínio das técnicas de sombra e luz, se projeta na tensão perante os fenómenos da realidade, da invisibilidade, do silêncio e do tempo – desequilibrando e recalibrando vagarosamente a sua relação com o espaço e com a retina do olhar.

Destacam-se as exposições: Ciclóptico (MAAT– Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Lisboa, 2023), The Last Photon on the Retina (Galeria Sabrina Amrani, Madrid, 2023), Um esqueleto entra no bar… (Fundação Leal Rios, Lisboa, 2020), Asterismo, Sequência para Piano, Guitarra e Projector com Marco Franco e Francisco Cordovil (Fundação Serralves, Porto, 2019), Imagines Plumbi, (Galeria Graça Brandão, Lisboa, 2018), Secção (Casa-Museu Medeiros e Almeida, Lisboa, 2016), Plasma (Galeria Graça Brandão, Lisboa, 2016), Phosphora (Galeria Graça Brandão, Lisboa, 2015 e Plateau (Sala Bebé, Lisboa, 2010).

Entre as exposições coletivas em que participou, realçam-se a Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira (Vila Franca de Xira, 2023), Projecto MAP 2010–2020. Mapa ou Exposição (Museu Coleção Berardo, Lisboa, 2020), Anuário – Uma visão retrospectiva de arte no Porto (Galeria Municipal do Porto, Porto, 2019), Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero (Atelier – Museu Júlio Pomar, Lisboa, 2019), Portugal, Portugueses (Museu Afro Brasil, São Paulo, 2016), A Rainha Vermelha (Gante, 2013), Straight ahead and then turn (Espaço Avenida, Lisboa, 2011), O movimento das coisas / Coisas em movimento (M.I.M.O. – Museu da Imagem em Movimento, Leiria, 2011) e VLTRA TRAJECTVM (Expodium, Utrecht, 2011).

O seu trabalho encontra-se representado em coleções públicas e privadas, destacando-se a Coleção da Câmara Municipal de Lisboa (Lisboa, Portugal); Coleção Fundação Joana Vasconcelos (Lisboa, Portugal); CCAM, (Mafra, Portugal); Porto Bay (Porto, Portugal); FLR – Fundação Leal Rios (Lisboa, Portugal); Fundación Otazu (Navarra, Espanha) e Kells Collection (Santander, Espanha).

TOPO